domingo, outubro 28, 2007

Meu comentário no blog do Reinaldo Azevedo

Reinaldo,

Contrapor a defesa da vida a defesa do aborto somente atrapalha a discussão, as pessoas que defendem o aborto não defendem o assassinato de criancinhas. A real questão é definir quando a vida começa.

Existem várias opções de escolha: o momento da concepção, 3 meses, ou até o extremo de matar a criança recém nascida como os romanos faziam, mas que não acho que tenha nenhum grupo pró-aborto que defenda este último caso.

A questão é que no princípio da gestação o ser humano não possui da de individual, sendo somente um punhado de células dentro do corpo da mãe, que tem o código genético diferente do dela.

A vida é igual em todos os seres, humanos ou não, variando somente o grau de complexidade. Se escolhermos defender a vida de um embrião, por coerência devia-mos defender a vida de todos os seres de igual ou maior complexidade. Porque achamos aceitável matar uma vaca para comer? Ou usar um rato para fazer experiências? Porque não enxergamos individualidade nela.

Um embrião é um ser humano em potencial, assim como um espermatozóide ou um óvulo.

Obviamente que em algum momento antes de nascer ele já é um indivíduo, não sabemos quando isto ocorre, porém com certeza isso só pode ocorrer após o 3o mês de gestação.