sábado, março 14, 2015

O que temos de fato concreto?

Somente um funcionário de terceiro escalão aceitou devolver US$ 100 milhões que roubou da Petrobrás. É inconcebível pensar que alguém consiga roubar tanto dinheiro sem o consentimento de seus superiores, e é isso mesmo que Paulo Roberto afirma, que ele estava lá para roubar para o partido, e que se ele recebeu US$ 100 milhões, o PT recebeu pelo menos US$ 200 milhões. Tudo isso é extremamente plausível e provável.

O PT tenta esconder os fatos com cortinas de fumaça:

Todos roubam. Isso não é verdade e não diminui o roubo deles.

Antes era pior. Isso não é verdade e não diminui o roubo deles.

É um golpe da elite. Isso não é verdade e não diminui o roubo deles.

Ou seja, não importa o que o PT afirme, isso não muda o fato concreto de que um único funcionário de terceiro escalão roubou US$ 100 milhões da Petrobrás. E isso não é um caso isolado, ainda tem o dinheiro de Pasadena, da refinaria Abreu de Lima, do COMPERJ, etc, etc, etc


E se sairmos da Petrobrás, ainda falta investigar Belo Monte, o Eike Batista, o BNDES, a Friboi, os correios, etc, etc, etc.